Ford aposta alto no novo Mustang

A Ford atraiu consumidores como Wendy e Brian Sutherland para a cidade de Nashville, nos Estados Unidos, na semana passada, onde foram realizadas as comemorações do 40º aniversário do Ford Mustang. Wendy está acostumada a limpar cuidadosamente os pneus brancos de seu Mustang 1966. Brian, por sua vez, se encarrega de polir a frente do carro. "Em uma escala de 1 a 10, eu diria que o Mustang tem nota 12", afirmou Brian. A festa dos 40 anos do Mustang é muito mais do que uma simples comemoração do modelo que ganhou as ruas norte-americanas no verão de 1964. Trata-se de uma grande oportunidade para estabelecer uma ligação entre o Mustang original e a nova versão prevista pela Ford, que deve chegar às concessionárias no final deste ano. Esta será a quinta geração do Mustang e a primeira versão totalmente renovada em mais de uma década. Para a Ford, que tenta se recuperar de um prejuízo de US$ 5,45 bilhões em 2001, o lançamento tem uma importância crítica. Não se trata de renovar as vendas. O Mustang é o carro de passageiros mais importante da Ford e a companhia espera que o modelo atraia consumidores para todos os demais carros da linha. Assim como outras fabricantes de carros de Detroit, a Ford vem sofrendo com a migração de consumidores para marcas como Toyota, Honda e BMW. "O novo Mustang deve gerar lucros significativos. Mas, mais importante do que isso, trata-se de uma marca símbolo essencial para nós", disse o presidente da Ford para o mercado de massa, Steve Lyons. A Ford parece entusiasmada com o lançamento. No entanto, toda essa confiança não existia quando a versão original do Mustang deixou as pranchetas de design. Don Frey, hoje com 80 anos, era gerente de Planejamento de Produto da empresa quando foram feitos os primeiros desenhos do carro, em 1963. Na época, o Mustang era apenas um modelo esportivo criado sobre o chassi do popular Ford Falcon. As expectativas eram mínimas. "Na época, esperávamos vender apenas 86 mil unidades e compensar o investimento. Mas as encomendas começaram a crescer de forma tão rápida que decidimos abrir duas outras fábricas. Produzimos 420 mil unidades somente no primeiro ano", disse Frey. O Mustang foi um sucesso imediato e superou modelos de alta performance oferecidos por rivais como Chevrolet, Pontiac e Dodge. Em uma década, ele já respondia por cerca de 20% das vendas da Ford nos Estados Unidos. Grande parte desse sucesso foi justificado pela popularidade do modelo junto ao público feminino. O ex-designer da Ford, Joe Oras, hoje com 87 anos, desenvolveu o Mustang original no início dos anos 60 e também assina o desenho do líder de vendas Ford Cortina, lançado nos anos 70. "O departamento de Design nos advertiu que um modelo esportivo nos Estados Unidos não poderia ser muito ´macho´. Ele teria que atrair tanto as mulheres quanto os homens." Até hoje, o Mustang mantém sua popularidade junto às mulheres, que respondem por cerca da metade das vendas da marca. A Ford prefere não falar muito sobre a verba anual de US$ 8 bilhões aplicada na pesquisa e desenvolvimento do novo Mustang. Mesmo assim, sabe-se que o novo carro será bem diferente da geração anterior, com um novo chassi e uma reestilização completa das partes interna e externa. Por outro lado, o modelo deve manter algumas características das versões anteriores, como as saídas de ar no painel e a grade do radiador cromadas. O estilo retrô deve atrair a geração do "baby boom" e seus filhos, dois grupos que, segundo a Ford, devem responder por uma parcela substancial das vendas. "Essas duas categorias de consumo estão ingressando em uma faixa etária para a qual o Mustang é uma alternativa", disse o gerente de Marketing da Ford, Ben Poore. Mas, assim como ocorreu no passado, o preço será provavelmente o principal atrativo do novo carro. Segundo a Ford, a versão básica, equipada com motor de seis cilindros em V, custará menos de US$ 20 mil. Ao mesmo tempo, as tradicionais versões conversível e V8 ajudarão a companhia a cobrar um pouco mais de consumidores exigentes. De acordo com Edsel B. Ford, primo do chairman e CEO da companhia Bill Ford, a filosofia de preços explica porque o Mustang foi capaz de superar rivais nos últimos 40 anos. "Com isso, o Mustang construiu uma imagem forte e transformou-se em um clássico do mercado de carros esportivos nos Estados Unidos". (Financial Times)

Fonte: Canal Dana
Publicação: Ygor - Staff FiestaHP

Voltar
28/01/2004 - Fiesta HP