Ford quer lançar modelo de entrada este ano

         A Ford Motor Company do Brasil quase dobrou a sua participação no mercado interno, ao passar de 6,8% em 2001 para 11,3% neste ano - com o lançamento de novos produtos, como o Novo Fiesta e o EcoSport -, e sabe que para aumentar a sua fatia terá que investir num modelo de entrada, que custe de R$ 17 mil a R$ 20 mil. "Se a indústria automobilística crescer será neste segmento de veículo, que não dá lucro", disse Antonio Maciel Neto, presidente da Ford para a América do Sul; "e, para concorrer neste mercado, é preciso investir muito". Nos resultados totais de vendas no País, a Ford só perde para os concorrentes por não ter um modelo de entrada. Hoje, dos 11,3% de participação que possui no mercado, dois pontos percentuais vêm do modelo Ka, que vende de 2 mil a 2,3 mil unidades por mês no Brasil. Já a Volkswagen garante 24% de fatia, com os 12% que obtém do seu modelo de entrada, o Gol. Como a redução de custos continua sendo uma obsessão da Ford, segundo Maciel Neto, o novo modelo de entrada será definido pela empresa somente no final deste ano. "Estamos analisando este projeto, pois o lançamento de um carro de entrada vai exigir ampliação da rede e outras decisões estratégicas". Além de lançar novos produtos, a Ford está fazendo uma "revolução silenciosa" na sua rede de distribuidores, com a implementação de mais de 200 ações, segundo o presidente. Hoje a empresa tem 420 pontos de vendas e 290 distribuidores e a meta é chegar a 450 revendas até o final deste ano. "De 1996 a 1999 fechamos 17 revendas e há dois anos e meio nomeamos 60 novos grupos de revendedores", destacou. Com o lançamento do Fiesta Sedan, um carro desenvolvido pela equipe de engenharia brasileira, a Ford passa a disputar participação num segmento que está crescendo no Brasil - é o segundo maior do mercado -, onde tem como concorrentes diretos o Clio Sedan (Renault), Corsa Sedan (GM) e Sienna Sedan (Fiat). A versão 1.0 custa R$ 26.990, a Supercharger sai por R$ 27.990 e a 1.6 Flex Fuel por R$ 29.990. Dos 1,540 milhão de veículos previstos para serem vendidos este ano no Brasil, 80% são automóveis. Desse total, 13% são modelos sedans, segundo o departamento de marketing da empresa. O novo Fiesta Sedan será produzido somente no Brasil e será exportado inicialmente para países da América do Sul. Sobre o mercado automotivo brasileiro, Maciel Neto prevê que a trajetória de crescimento da indústria automobilística será mantida ao longo de 2005, em razão da confiança do consumidor sobre o País. "Com o aumento da rentabilidade obtido com o crescimento das exportações, as empresas passaram a contratar e isso melhorou a confiança das pessoas", observou o presidente da Ford.

 

Fonte: Canal Dana
Publicação: Ygor - Staff FiestaHP

Voltar
11/09/2004 - Fiesta HP